Como jogar um bom jogo de RPG: Fazendo bons Personagens!

O que faz um jogo de RPG ser bom? Muitos podem dizer: “Ah, a diversão. Se o jogo foi divertido, foi um bom jogo!” Bem, ser divertido é o propósito de qualquer jogo, seja futebol, pique pega, xadrez, buraco, damas, Counter Strike ou League of Legends. Se o jogo foi divertido, ele cumpriu o mínimo necessário para não ser um desperdício de tempo, afinal ninguém quer dispender horas de seu lazer em algo que não seja, pelo menos, divertido. Ser divertido não é o que faz um jogo de RPG ser bom. Sabe aquele filme cujas cenas lembramos por horas,

Ler mais

O Player’s Handbook do novo Dungeons & Dragons

Tudo que o jogador precisa para criar personagens heróicos para o maior RPG do mundo! O Player’s Handbook (Livro do Jogador) é a referência essencial para cada jogador de Dungeons & Dragons. Ele contém regras para a criação de personagens e progressão de níveis, antecedentes e perícias, exploração e combate, equipamento, magias e muito mais! Use esse livro para criar personagens excitantes das mais icônicas raças e classes de D&D. Dungeons & Dragons imerge você em um mundo de aventura! Explore antigas ruínas e masmorras mortais. Batalhe contra monstros enquanto procura por tesouros lendários. Ganhe experiência e poder enquanto você

Ler mais

D&D Next: Análise da ficha do Mago do D&D Starter: “You shall not pass!”

E a gente chega à terceira ficha do D&D Starter (já posso pedir música?). Desta vez, vamos dar uma bisbilhotada nas características do novo mago. Na mesma toada das análises anteriores – clérigo e guerreiro – percebemos que o arcano retoma suas raízes e surge ainda mais poderoso que nas edições antigas. Melhor: ele finalmente vem como um personagem realmente competitivo, o que me permite descer a fireball nas edições anteriores. Sempre tive agonia sobre o fato de o mago girar 1d4 pontos de vida para cada nível alcançado, como era bem antigamente. Cara, 1d4? Por quê? Mago é alcoólatra,

Ler mais

D&D Next: Análise da Ficha do Clérigo do Starter Set (O clérigo-retrô)

Na minha coluna de estreia, procurei não analisar diretamente o primeiro personagem – um guerreiro – na ficha divulgada pela Wizards. A ideia foi estudar o esqueleto da ficha: como estão distribuídos os atributos, modificadores, antecedentes e características da raça/classe do personagem. Neste artigo, entretanto, vou deixar de lado a estrutura e lidar com o conteúdo. Esquecer embalagem e provar do recheio. Mas não espere aqui alguma tradução literal nem mesmo um texto isento de paixões, preferências e pontos de vista – ou vistas de um ponto – de quem está empolgado com a futura edição e desanimado com a

Ler mais

D&D Next: Análise da Ficha do Guerreiro do Starter Set

Se você joga RPG há algum tempo, pode concordar: uma das etapas mais legais na hora de criar seu personagem é no momento em que a ficha – branquinha – chega às suas mãos. Tal como o pai de um filho em gestação, um inventor, um criador, a sensação de fazer uma ficha mescla a expectativa que se cria em torno do seu personagem (ele será o melhor, o mais valente, o mais astuto, o mais forte) com uma definição estratégica de que habilidades ele terá, quais serão os melhores atributos e onde irá ser colocado o 18. Na Força?

Ler mais

Fiasco: Release Oficial e Pré-Venda

PREPARE-SE PARA FAZER UM FIASCO Fiasco: s.m. Fracasso completo, insucesso ridículo e vexatório. …talvez algum de seus amigos de juventude o convidou para cheirar benzina, mas agora seu primo está morto em um pântano e foi você quem o matou. …talvez você e sua amante concluiram que poderiam obrigar sua espoa a um divórcio, mas as coisas fugiram do controle e agora uma gangue de mexicanos usando luvas de latéx barra pesada e um cachorro pitbull está atrás de você. As coisas podem dar errado, e rapidamente… as você não faz ideia o quanto uma cagada pode se tornar perigosa! Fiasco é inspirado nas

Ler mais

Arquivo REDERPG: Little Fears (resenha)

Enquanto aguardamos o lançamento em português pela RetroPunk, vocês podem conferir a resenha da 1ª edição original em inglês de Little Fears feita por Haroudo Xavier Filho, e publicada no antigo portal em 1 de junho de 2003 (1.216 leituras). Confiram a seguir.     Little Fears RPG de horror, Little Fears coloca os jogadores no papel de crianças de até 12 anos combatendo bichos-papões. A premissa parece idiota, até o RPG ser analisado de perto e se entender todo o horror no qual ele se baseia. Little Fears trata de medos reais e ficcionais, com um tratamento cuidadoso para

Ler mais

Perdas e Ganhos – Lidando com as perdas de seus jogadores

Esse é o titulo original de um artigo escrito em 2003 e perdido… Ele encerrava minha série de artigos sobre Live-Action, e fornecia dicas aos narradores/mestres de Live de como lidar com as perdas dos jogadores, transformando-as em ganhos para o Live como um todo. Reescreve-lo, tantos anos depois, será uma tarefa hercúlea  que espero ter competência para realizar. Mas como tudo na vida, só saberei se eu tentar… Live action é entretenimento, aprendizado e interação. Mas ninguém joga para fracassar nos seus plots ou perder seus personagens: essa é a grande verdade. Lives possuem uma dinâmica de interação diferente

Ler mais

Resenha – Rastro de Cthulhu

Antes de começar esta resenha, é necessário informar que eu NUNCA havia jogado qualquer jogo sobre Cthulhu ou lido qualquer conto de H.P. Lovecraft (o criador dos Mythos, só para esclarecer). Desta forma, dificilmente eu poderia ser considerado um fã ou uma pessoa entendida neste assunto. O porquê desta informação? Bem, o jogo me surpreendeu de forma muito positiva, e as considerações virão abaixo. Rastro de Cthulhu (RdC) é um RPG escrito por Kenneth Hite, baseado nas histórias de H.P. Lovecraft, que adota o sistema de regras Gumshoe, de Robin D. Laws. E bem, a união entre o estilo e

Ler mais

Malditos! (resenha)

Malditos! é o verdadeiro RPG alternativo brasileiro, indie, underground ou qualquer outra nomenclatura que você pensar. Como adquiri-lo? Somente direto com o seu autor, Camilo Oliveira Prado, que eu espero que após esta resenha tenha que fazer uma nova tiragem por conta das pessoas que passarem a ficar interessadas em comprá-lo. Ele custa apenas R$ 10,00 reais mais o frete (para a cidade onde moro, o custo total saiu por R$ 15,00 reais), e de uma coisa você pode ter a mais absoluta certeza: ele é um trabalho precioso e vale infinitamente mais que o seu preço, praticamente simbólico. Malditos!

Ler mais

ZEITGEIST: As Engrenagens da Revolução, do ENWorld

Vapor e fuligem escurecem os céus da cidade de Flint, e os ventos que varrem seu majestoso porto impulsionam os produtos abarrotados das forjas industriais às florestas tropicais que pontilham as montanhas afiadas. Desde as eras primitivas, quando o povo de Risur fundou esta cidade, eles temiam os caprichosos seres que se escondiam nos picos nebulosos, mas agora que a marcha do progresso e as exigências da defesa natural põem Flint num jardim de artifício e tecnologia, e as velhas fés e rituais que repelem os espreitadores das florestas estão sendo abandonados. A Corte Invisível, a Grande Caçada, e vários

Ler mais

Post Mortem: Vampiro – O Réquiem e A Máscara

Resenhas em geral, são feitas aproveitando-se da novidade. No caso dessa série de artigos, os livros do Novo Mundo das Trevas (nMdT) serão analisados anos após seu lançamento. Afinal, podemos agora comparar melhor os livros sob outra luz, inclusive mais objetiva e justa, em relação ao Antigo Mundo das Trevas (aMdT). Como a série pretende tratar de livro básicos e de linhas de livros que não foram lançadas ainda em português, optei por utilizar uma mistura, dando os nomes em português dos sistemas que já foram traduzidos e em inglês aos que ainda não foram (evitando uma tradução não-oficial). Vampiro

Ler mais

KQ: Kythernon, o Cruel

Para celebrar o lançamento do suplemento da Open Design: Soldiers of Fortune para o Dungeons & Dragons 4a edição, o autor Matt James fornece um material adicional para uma campanha militar. Esta história engraçada de um antagonista conhecido como Kythernon pode ser parte de um histórico, ou este PdM pode ser uma figura integrante da campanha, interagindo diretamente com os personagens jogadores. Precisando de um grande cara maligno para usar em sua campanha ou um gancho para uma história existente, Kythernon é um excelente auxílio para o Mestre que está com pressa.   Depois de ser nomeado o defensor provincial

Ler mais

KQ: Facções Memoráveis: A Virga Distante

Organizações reforçam a verossimilhança e a dinâmica do mundo de campanha. Elas servem de suporte a tramas contínuas, fornecem pontos de referência estáveis entre aventuras e fazem com que o mundo evolua mesmo quando os PdJs estão ocupado em outro canto. Cada artigo desta série apresentará uma nova organização, completa com ataques compartilhados e poderes utilitários – parecido com os temas de monstros. Cada uma incluirá metas variáveis para dar a seus membros um toque único e memorável. Cada mestre deve encontrar uma, ao menos, que sirva às necessidades da campanha – como aliadas, adversárias ou simplesmente como um grupo

Ler mais

O que é Live-Action?

Esse é o primeiro de uma série de artigos de mais de uma década. Alguns foram perdidos e precisaram ser reescritos, outros foram atualizados. Por volta de 1996/1997 eu joguei meu primeiro Live Action (personagem criado em 1996 e Live jogado sob ardorosos protestos: “Mas não vão ter jogos de mesa? Eu não posso mesmo só jogar os jogos de mesa?”) e eu podia jurar que ia ser uma daquelas coisas que fazemos só para provar para alguém que não somos capazes de fazê-la… Acreditava de verdade que ia ser algo momentâneo, feito sob pressão dos amigos e que ao

Ler mais