«

»

set 03

O Futuro do Dungeons & Dragons – Parte 2

Ontem eu escrevi como O Futuro do Dungeons & Dragons parece ser, considerando o que a presente edição nos oferece como jogadores, a fim de obter uma noção do que poderia estar à frente para o jogo. A série atual Legends & Lore de Mike Mearls fornece alguma luz sobre o que os desenvolvedores estão pensando a respeito, e eles estão claramente levando em consideração o feedback dado pelos jogadores. Por que mais estaria o Mike escrevendo essa coluna? Em resumo, os finos camaradas da Wizards of the Coast querem criar uma experiência de jogo que nós, os jogadores, queremos jogar. Muito simples, na verdade.

Mas, na prática, não será tão simples. A realidade é que todo mundo quer algo levemente diferente do jogo. Nós todos jogamos de um jeito um pouco diferente. Vá de um grupo ao outro e você vai encontrar uma nova regra caseira ou algum livro fonte que estão fora dos limites. Então, desenvolver um jogo do qual nós todos vamos gostar é uma perspectiva mais dura do que poderia parecer originalmente.

Com tudo isso sendo dito, eu decidi oferecer minha considerável sabedoria e experiência sobre o assunto. Sim, eu decidi entrar no debate sobre o que faria o D&D espetacular. As coisas que eu adoraria ver na próxima edição do jogo.

Um Retorno a 20 Níveis

Os três estágios de jogo que nós temos na 4ª edição são incríveis. Eles são claramente definidos e cada um adiciona um nível de complexidade ao jogo e ajuda a contar a história. Entretanto, como todos nós sabemos, o combate pode ser mais lento na 4ª edição. Combates em nível épico podem ser realmente lentos, mesmo com jogadores experientes. Um simples olhar no nível do material e do suporte que há para o jogo no nível épico e você percebe que há um argumento claro para o retorno do jogo a 20 níveis. WotC sabe em que níveis nossos personagens estão, pelo Character Builder, e eles sabem quão poucos de nós alcançamos o nível épico.

Na próxima edição de D&D eu não ficaria surpreso em ver o retorno do jogo aos 20 níveis. Com dois ou três anos de jogos o lançamento de um Livro dos Níveis Épicos seria providenciado para fornecer suporte ao jogo além do nível 20. Assim como eles fizeram na edição 3.5 de D&D. Eu acho que isso faz sentido. Permite aos desenvolvedores dedicarem mais espaço em qualquer livro para elementos mais leves que adicionem detalhes à experiência de jogo. Também permite que eles publiquem um livro mais adiante que gere mais receita.

Uma Experiência de Jogo Modular

Esse é um assunto que Mike Mearls discutiu recentemente na coluna Legends & Lore (The Rules). A premissa básica é que a complexidade do jogo pode ser escalonada. Como a complexidade do personagem e o nível de poder aumentam, portanto o Mestre deve ter certas ferramentas disponíveis para aumentar o desafio que monstros e armadilhas apresentariam. Eu sou um fã dessa idéia já que ela permite aos jogadores customizar sua experiência de jogo.

Novos jogadores não serão oprimidos por opções, eles podem começar devagar e adicionar camadas aos seus personagens na medida em que seu conhecimento sobre o jogo cresce. Mais uma vez, isso permite à WotC lançar diferentes materiais fonte para sustentar essas idéias. Tudo que é preciso é criar um sistema que permita que novos elementos sejam adicionados com lançamentos subseqüentes. Nós já temos visto algo parecido com isso com o lançamento do sistema de power points do PHB3 e do Psionic Power. Você poderia argumentar que o lançamento do Essentials também construiu sobre essa idéia. Espero que a 5ª edição construa ainda mais sobre essa idéia, na verdade espero que essa seja uma característica central do jogo.

Uma Experiência Multi-Jogo

O que exatamente eu quero dizer com isso? Com o lançamento da 4ª edição, WotC realmente deixou a bola cair no D&D Insider. Itens foram lançados com erros, atrasados ou não lançados. Em resumo, eles perderam uma excelente oportunidade. Espero que eles façam direito com a 5ª edição.

Uma coisa que eu gostaria que a WotC abraçasse é a era digital. Há muito mercado para livros físicos. Agora, pessoas como Ameron ainda estão comprando cada lançamento, mas pessoas como eu não estão. Não quando eu estou pagando para ter conteúdo mensal através de uma assinatura. Infelizmente, poucas pessoas estão em lojas locais de jogos, conquanto programas como o D&D Encounters ajudem a consertar isso, compras digitais fazem sentido. Levante sua mão se você compra livros através da Amazon e aproveita a vantagem de descontos significativos. É um fato da vida.

O que eu gostaria de ver com o lançamento da 5ª edição é um DDI completamente funcional. Equipado com Character Builder, Dungeon & Dragon Magazines, o Compendium, uma ferramenta para Masmorras, e um criador de monstros. As coisas que nós realmente temos hoje e que estão em beta. Mas eu não terminei aí. Eu gostaria de ver o lançamento de um videogame com suporte à 5ª edição no lançamento. A WotC pertence à Hasbro, que é proprietária da Atari, então isso não está fora do reino da possibilidade. Talvez simples jogos em flash, que podem ser incrivelmente complexos. Em resumo, qualquer coisa que possa levar mais pessoas a jogar um excelente jogo. Eu acho que quero que eles lancem qualquer nova edição atirando pra todos os lados.

O elemento final de qualquer nova edição do jogo que eu gostaria de ver é um número menor de classes de personagem. Eu normalmente jogo uma vez por semana, e há poucas possibilidades para mim de sequer sonhar em jogar com uma dúzia das 45 classes disponíveis pra mim em qualquer nível de profundidade. Eu gostaria mais de ver as opções se tornarem disponíveis através de Caminhos Exemplares, ou o equivalente.

Bom, isso é tudo. Minha lista de desejos sobre como uma nova edição deve parecer. Não há nenhuma dúvida de que quando o tempo passar meus desejos vão mudar ou se ajustar. Normalmente eu apenas adicionaria à lista. E você? Se você pudesse perceber uma coisa permanecendo ou sendo adicionada da 4ª para a 5ª edição, o que seria?

 

Tradução por Eduardo Carvalho
Equipe REDERPG
Texto original por WYMWICK, em 24 de Agosto de 2011
Link para o texto original:
http://dungeonsmaster.com/2011/08/the-future-of-dungeons-dragons-part-2/

***

Comentários

  1. luizdrider disse:

    cara, a taxa de idade de jogadores hoje no brasil é de 20 a 25…um garoto de 13 a 17 nao vai parar na net pra olhar character builder, tem pornografia, sites tipo o bobagento e sedentario…os livros querendo ou nao era um jeito de atrair um nicho…gente nova nao paga assinatura, simplesmente baixa material pirata….aumentar essa ala do comercio tá sendo um tiro no rab…pro nosso hobby…….isso é logico na visao brazuca ……e sinceramente….essencials?sucesso? tem gente jogando 3.5 ate hoje …mas todos os fãs da 4ed que eu vejo nos sites tao se perguntando quando sai a 5ed….??? nao to falando por preconceito….eu acho que a 4ed fez as melhores mecanicas de raça que eu ja vi…..e combatente parou de ser eu bato, eu bato, eu bato……..mas a politica da wotc ta muito errada, dos lançamentos dos livros ao essencials per se…….quando fizeram a 4ed tinha gente falando aaahhh(tristeza) pq tinha acabado mas nao vejo isso na 4ed……o d&d ta realmente precisando de um 5ed mas espero que ela seja feita por um rpgista nao por um cara de adm( eu curso,rsrs)

  2. scarab disse:

    Quanto mais leio esses artigos mais vejo que a Wizard ta com um pé na cova em relação a rpgs.

    Tipo não tem o que dizer sobre o assunto e nem especular sobre essa questão , com certeza vai sair uma 5 edição já que a 4 edição já ta velha.

    Tem que dar tempo ao tempo pra gente ver como vai ficar as coisas.