in ,

Arquivo REDERPG: Exalted (resenha)

Exalted é o RPG de fantasia mítica da White Wolf, fortemente influenciado pelos animes japoneses, que usa o sistema  Storytelling, mas é independente do antigo Mundo das Trevas. Ele está em sua segunda edição e é uma das principais linhas de produto da editora. A resenha (2.530 leituras) a seguir tem por base o livro básico da primeira edição do jogo, foi escrita por Ubiratan “Bira” Alberton e publicada no antigo portal em 13 de outubro de 2003. Confiram a seguir.


 

Exalted (livro básico)

A linha Exalted é uma das mais recentes lançadas pela White Wolf, e este livro básico foi lançado em 2001. Muita gente se lembra da editora por causa do Mundo das Trevas, que afinal de contas foi o que a tornou famosa, mas com Exalted ela prova definitivamente que sabe fazer outras coisas além de jogos cheios de angústia e depressão. Exalted é um RPG de fantasia épica, que combina idéias de várias fontes clássicas para montar um cenário que difere radicalmente da fantasia à qual a maioria dos jogadores estão acostumados.

Cenário

O mundo, chamado de Criação, é um lugar vasto, com ambientes variados habitados por uma gama igualmente diversa de culturas humanas e que um dia já conheceu tempos melhores.

No início dos tempos, os deuses se rebelaram contra os seres inconcebíveis que os haviam criado. Suas principais armas nesta guerra foram os Exaltados, humanos que receberam em suas almas faíscas de energia divina, desenvolvendo grandes poderes por causa disso.

A guerra foi ganha, e como recompensa os Exaltados ganharam domínio sobre o mundo, dando início a uma longa era dourada de magia e prosperidade. Nem tudo correu tão bem, entretanto, pois os Primordiais derrotados lançaram terríveis maldições sobre esses campeões com seus últimos suspiros – dali em diante, eles estariam condenados a cometer
atos impensados e extremos tal qual haviam feito durante a guerra.

Dentre os Exaltados, os mais poderosos eram os Exaltados Solares, escolhidos do maior dos deuses, o Sol Indomado. Justamente por isso, foram eles os mais afetados pela Grande Maldição. Dentro de alguns séculos, eles passaram de governantes benevolentes da Criação a seus tiranos e algozes, cometendo atrocidades de proporções épicas para satisfazer seus caprichos mais mesquinhos.

Os Exaltados Lunares, seus consortes, os abandonaram e fugiram para lugares desconhecidos. Os Exaltados Terrestres, seus servos e soldados, foram manipulados pelos Siderais, sábios e profetas, erguendo-se em uma revolta titânica para usurpar o trono de seus mestres insanos. O fim do reinado dos Solares também foi o fim da gloriosa Primeira Era.

Mais séculos se passaram. A Criação passou por pragas e invasões de criaturas vindas de além de suas fronteiras. Até muito pouco tempo atrás, ela era dominada pelo Reino e por sua Imperatriz Escarlate, uma Exaltada Terrestre que mantinha todos à sua volta sob controle com o auxílio de relíquias da Primeira Era. As coisas eram assim há setecentos anos.

Mas a Imperatriz desapareceu. E os Solares voltaram a andar pelo mundo.

Personagens e Regras

Em Exalted, os jogadores fazem o papel dos Solares reencarnados, pessoas até há pouco tempo normais que receberam faíscas de poder divino e agora estão destinados a se tornarem lendas. A Criação está se aproximando de uma transição importante, e são eles que decidirão seu destino final.

Para realmente entrar no clima desse RPG, tanto jogadores como Mestres devem esquecer vários “reflexos” aprendidos em outros jogos, e fazer bom uso das lições ensinadas neste livro básico.

A principal delas é a de que é preciso pensar _grande_, e não se prender ao “status quo”. Desde que são criados, personagens Solares têm a capacidade de afetar o destino de reinos inteiros. Como muitos outros cenários, a Criação é ameaçada e manipulada por criaturas e NPCs de poder absurdo, só que em Exalted chegar até o patamar deles é apenas questão de tempo, não mais um sonho impossível.

Seguindo de perto, a outra lição importante de Exalted é que exagerar não é pecado. Em um combate, você pode fazer mais do que simplesmente bater no inimigo com a sua maça. Você correr pelas paredes até chegar ao teto, arrebentar a corrente que prende o imenso candelabro de cristal que está lá e derrubá-lo em cima do infeliz. E ainda ganhar um bônus no teste para fazer isso, por causa da descrição legal.

As regras são as do sistema Storyteller, em uma encarnação mais moderna e funcional do que aquela usada nos jogos do Mundo das Trevas. Os dados usados ainda são os de dez lados, e os testes são feitos jogando-se um número de dados igual à soma do atributo e da habilidade testados. Agora, porém, qualquer resultado acima de 7 em um dado é considerado um sucesso, e a dificuldade dos testes é medida pelo número de sucessos necessário para ser bem sucedido. As dificuldades vão de 1 a 5, onde 1 é uma tarefa mediana, três um feito muito difícil, e 5 uma façanha lendária.

Os atributos e habilidades são os mesmos vistos em outros jogos do sistema Storyteller, e os poderes sobrenaturais têm muita influência de filmes de kung-fu e animes: a grande maioria deles é expressada na forma de Charms, técnicas especiais com nomes que não ficariam fora de lugar em um filme de Hong Kong. O resto vem na forma de feitiços de escala realmente épica: os mais “simples” podem criar uma nuvem de vidro afiado que cobre uma área de 100 por 50 metros, e os mais poderosos podem transformar um deserto árido em um paraíso tropical, ou criar legiões de soldados totalmente equipados do nada.

Nem tudo são flores para os personagens, porém. Afinal, a Grande Maldição ainda afeta suas essências solares. Todo Exaltado possui um “gatilho” psicológico que, ao longo do tempo, pode levar a acessos de loucura tão épicos quanto as demais façanhas das quais eles são capazes. A maneira da qual lidam com esses defeitos forma grande parte da tensão dramática do jogo.

As duas regras mais inovadoras, porém, são as mecânicas para os “stunts” (façanhas) e para os extras, que reforçam a atmosfera cinematográfica do jogo ainda mais. A regra dos “stunts” é bem simples: um jogador que descreva a ação de seu personagem de uma maneira legal ganha um bônus no teste associado, que pode ir desde 1 dado para descrições detalhadas até 3 para algo que derrube o queixo do Mestre e dos demais jogadores!

Já a mecânica de extras serve para representar aqueles combates “introdutórios” que existem em muitos filmes de ação, onde o mocinho detona montes de capangas sem rosto antes de enfrentar o vilão principal. Extras são personagens simplificados, que qualquer herói digno do nome pode despachar em no máximo dois golpes, e que servem exatamente para fazer com que os heróis pareçam mais legais antes dos combates de verdade. Exércitos de extras ainda são um problema, mas não são nada que um pouco de estratégia e alguns stunts legais não possam resolver.

Se há um problema nas regras, é que a quantidade de dados lançados  em combate pode tornar as lutas um pouco lentas, conflitando com o dinamismo esperado na hora de fazer as descrições. Mesmo os Exaltados menos combativos têm condições de jogar algo entre 6 e 8 dados para seus ataques e defesas, e os mais guerreiros jogam até 13 dados antes mesmo de incluir os Charms no cálculo. Depois que isso acontece, o número de dados lançados pode facilmente dobrar.

A melhor solução que eu encontrei para esta dificuldade foi usar roladores de dados eletrônicos, que podem ser encontrados sem muita dificuldade na Internet. Outra solução é fazer com que os combates sejam um pouco mais raros, e rolar em detalhes apenas as lutas que definem a história.

Suplementos

O livro básico já tem uma boa quantidade de material para sair jogando com Solares, descrevendo a Criação com algum detalhe e falando de alguns lugares interessantes para situar sua campanha. Todos os outros suplementos são puramente opcionais, mas cada um adiciona aspectos interessantes ao jogo, e pode ser bastante útil se a sua campanha os cobrir. Abaixo está uma breve descrição dos principais suplementos lançados até hoje. Se você ficou curioso e quer saber mais, apenas aguarde, que resenhas mais detalhadas deles não tardarão a aparecer aqui na Rede.

Scavenger Sons é bom para quem quer saber mais sobre o mundo, especialmente sobre o Leste e a cidade de Nexus (uma das maiores da Criação),mas também tem muita coisa sobre os outros pontos cardeais. No apêndice, você acha alguma coisa sobre o Belo Povo (fadas).

Book of Three Circles é o suplemento de magia, apresentando um balde de itens mágicos e um caminhão de feitiços, além de regras para Wartstriders no apêndice. Essas belezinhas são armas da Primeira Era, armaduras gigantes meio no estilo do anime Escaflowne (só que mais interessantes).

Games of Divinity é interessante para quem quer utilizar bastante as divindades de Exalted em jogo. Além de falar um pouquinho sobre a Corte Celestial, ele detalha vários dos Pequenos Deuses (espíritos) mais dignos de nota, também devotando o mesmo espaço para elementais e demônios. Este é o livro com o melhor Inferno do RPG .

Savage Seas cobre aventuras no mar, com regras para navios, armas navais da Primeira Era, e regras de combate entre frotas.

Manacle and Coin, um dos mais novos, descreve a Guilda e os sistemas monetários da Criação. A leitura é bem interessante, mas o material provavelmente não é apropriado para grupos imaturos (grande parte do livro é devotada ao tráfico de drogas e à escravidão, duas das atividades mais lucrativas da Guilda).

Exalted também possui uma classe especial de suplementos, carinhosamente apelidados de “fatsplats” pelos americanos, que descrevem os demais tipos de Exaltados em detalhe suficiente para que você possa rolar campanhas com eles. Se não fosse pela falta de regras básicas, eles poderiam ser outros livros básicos. A vantagem deles em relação aos livros básicos do Mundo das Trevas é que eles foram feitos para serem usados em conjunto, e as regras não conflitam. Além de descrever estes Exaltados, os livros descrevem toda a sua cultura e as partes da Criação onde eles dominam.

Até agora, os que saíram foram:

  • Dragon-Blooded, que descreve a Ilha Abençoada e a sociedade do Reino.
  • Lunars, que também fala da cultura bárbara e da Wyld.
  • Abyssals, que também traz regras para jogar com fantasmas e descreve o mundo dos mortos.

Em novembro, sai o Sidereals, que também vai descrever Yu-Shan, a cidade celestial onde habitam os deuses.

Esses livros só são realmente necessários se você quiser rolar uma campanha com personagens que não sejam Solares, ou então quiser usar um tipo de Exaltado como principal oponente dos seus jogadores. Mas eles são extremamente, estupendamente bons. Ao contrário de outros jogos, onde você tinha o “power creep” (que subia o nível de poder com cada suplemento), aqui você tem uma situação bem peculiar onde cada “fatsplat” é mais legal que o outro . Os Solares ainda são os mais fortes, mas as descrições dos outros livros são de cair o queixo.

Além destes, existem dois livros de aventuras, Time of Tumult e Ruins of Rathess. O primeiro possui algumas aventuras lidando com uma Manse perdida e também descreve um tipo novo de Exaltado (os Alquímicos). O segundo descreve uma cidade que já foi habitada por uma raça mais antiga que a humanidade (os Dragon Kings), mas que hoje está em ruínas e pululando de monstros e caçadores de tesouros.

Livro: Exalted
Editora: White Wolf
Páginas: 352
Encadernação: Capa Dura
Preço: 30 dólares
ISBN: 1-56504-623-4

por Ubiratan “Bira” Alberton

***

One Comment

Leave a Reply

Deixe uma resposta

Crise Americana e a 4ª Edição

Old Dragon Aventura: O Forte das Terras Marginais