in ,

Araní: Game brasileiro baseado na mitologia indígena sul-americana

Descubra a mitologia sul-americana e enfrente as criaturas exóticas da Amazônia pré-colonial

A Diorama Digital divulgou o preview do Araní, jogo hack & slash de estréia do estúdio com lançamento, ainda não confirmado, para o ano que vem nas plataformas PS4, Xbox One e PC. O jogo se passa numa América do Sul pré-colonial mitológica, onde humanos convivem com deuses e criaturas do folclore, e conta a história de Araní, uma guerreira da Tribo do Sol em sua jornada para salvar seu povo da influência do Taú, um espírito maligno que foi  aprisionado pelos deuses e agora busca vingança.

O jogo segue a linha dos clássicos do gênero, como God of War e DMC, com uma narrativa focada na mitologia nativa da América do Sul, trazendo uma mudança de ares num meio já saturado de criaturas nórdicas e greco-romanas. Aprovado na categoria A, no primeiro edital da ANCINE, em 2016, o jogo recebeu o maior aporte da entidade e é o primeiro do gênero a ser desenvolvido inteiramente no Brasil. A trilha sonora foi composta pela banda brasileira de folk metal Arandu Arakuaa, cujas letras são inspiradas em lendas e ritos indígenas. O jogo ainda não tem previsão de lançamento.

O saci do game Araní

Araní marca o debut da divisão de desenvolvimento de jogos da Diorama Digital, empresa de outsourcing de arte com ampla experiência na indústria, que se tornou conhecida por sua atuação no Horizon Zero Dawn. Segundo Alex Rodrigues, um dos co-fundadores, “a criação da divisão de desenvolvimento é o resultado de quatro anos de trabalho intenso e visa fortalecer não apenas a companhia, mas a indústria brasileira de jogos como um todo”.

SOBRE A DIORAMA DIGITAL
Fundada em 2014 a Diorama Digital é uma empresa de desenvolvimento externo, que produz outsourcing de arte conceitual 2D e 3D. Com um robusto portfólio que inclui trabalhos com grandes IPs como Elder Scrolls Online, Star Wars Galaxies, DC Universe Online, Monday Night Combat e Just Cause 2, o estúdio ganhou notoriedade pelo seu trabalho no Horizon Zero Dawn, projeto em parceria com o Kokku Hub, no qual foi responsável pelos modelos de sete dos principais robôs do jogo: Corruptor, Shell-walker, Scrapper, Broadhead, Charger, Strider e Stalker.

Recentemente, com a aprovação do projeto Araní, contemplado no edital da ANCINE (PRODAV 14/2016), na principal categoria, a empresa iniciou a sua divisão de produção de jogos.

Deixe uma resposta

Vampiro 5ª Edição: The Anarch (resenha)

Old Dragon: Escolas de Magia