in

GURPS CyberPunk: Por um Fio…

Saudações a todos.

Jogo RPG há mais de 10 anos e já criei muitas estórias e algumas campanhas que guardo com carinho na memória, e agora venho compartilhar com vocês uma destas campanhas que tanto me orgulha: Por um Fio…

Por um fio… é o nome da campanha de Gurps Cyberpunk mais longa e bem sucedida que já mestrei, com anos de jogo e muito material desenvolvido. Infelizmente, como tudo na vida, já faz alguns anos que ela foi encerrada, mas ficaram as boas lembranças e decidi colocar tudo que pudesse em um livro.

Assim nasceu o livro que agora divido.  Por um Fio… é um suplemento para Gurps Quarta Edição o qual apresenta o mundo, os personagens, armas e equipamentos de nossa finada campanha com a esperança que sejam úteis a outros mestres e jogadores, e quem sabe, continuar a campanha.

Dividido assim como os suplementos oficiais, a primeira parte descreve o mundo no qual jogamos e que foi lapidado com o passar dos anos, e a segunda parte trás a tecnologia e equipamentos, com muita coisa adaptada e atualizada, como um novo capítulo sobre Netrunner e Cyberwear, além de muitas, muitas armas com características únicas.

Espero que apreciem esse meu pequeno grande livro e que traga a vocês tantas alegrias quanto me trouxe.

Um grande abraço.

Link para Download: http://bitshare.com/files/uhtymmhf/Por-um-Fio.pdf.html

 

9 Comments

Leave a Reply
  1. Bom livro. Muito bem feito, bem editorado, desenhos soberbos. Trabalho profissional mesmo. Só li até um terço do material. Até este ponto, como consumidor de literatura cyberpunk, acho que ficou faltando um lado satírico, brincando com o absurdo comum em algumas obras do gênero, como o livro Jennifer Government ou o filme Brazil. Por exemplo quando o autor fala que os serviços públicos foram privatizados devido a incompetência do governo corrupto poderia ter mencionado que as corporações que passaram a administrar esses serviços foram as corruptoras. Além de dar profundidade a história também a torna mais próxima do mundo real onde você vê políticos indicando administradores incompetentes de empresas estatais que prestam um serviço de baixa qualidade, e que, para resolver o problema, privatizam elas para uma empresa da qual eles são sócios (e muitas vezes o serviço piora).

    Eu entendo que estes livros não são citados como influência para o jogo e o mestre pode incluir esse lado na sua campanha. Mas quem é consumidor de literatura cyberpunk acaba sentido falta.

Deixe uma resposta

Somos tão jovens – Crítica

A Essência da Subclasse, Personalização de Subclasse & Opções Não-Vancianas para Subclasses