in ,

Fantasia Grega no RPG

1. TEMAS CENTRAIS
Destino é o tema mais importante. Ninguém escapa dele, nem mesmo os deuses. Inúmeras tragédias e mitos gregos mostram as consequências de tentar fazê-lo, como Édipo Rei. Mas como a maioria dos jogadores prefere ter a chance de um final feliz, pode-se assumir que os seus destinos são bons ou, no mínimo, incertos. Um atributo de sorte ou inspiração divina poderia funcionar para simular isto. Também pode-se assumir que os membros do grupo são favorecidos por um ou mais deuses, ou buscam adquirir esse status. Isto é tanto uma benção quanto uma maldição, pois deuses podem conceder grandes privilégios, assim como ficarem furiosos com quaisquer desrespeitos.

Gatts tem muito em comum com os heróis das tragédias gregas.

Adorar os deuses é como um contrato de negócios com alguém não muito confiável. Você pede por algo, sacrifica algum vinho bom, gado, ouro ou até um barco inteiro para Poseidon. Os deuses vão decidir a ajuda ou benção proporcional, seja sorte nos dados ou a mão de Poseidon agarrando a galé inimiga. Tenha cuidado com o que você deseja, pois os deuses podem ajudar de maneiras terríveis e ensinar lições. Lembre-se de Midas e seu desejo por ouro, que culminou na perda da filha.

Não há uma mitologia “oficial”. Muitas lendas têm várias versões, como no caso das amazonas:

A) Vá longe o suficiente das terras civilizadas, e você encontrará mulheres usando calças, cavalgando, manejando arcos e machados tão bem quanto os homens!
B) As bocas alheias dizem que em algumas tribos nômades chamadas “amazonas”, não pode-se encontrar um único homem. Elas se deitam com homens citas, mandando os garotos para os seus pais.
C) Outros dizem que elas não são nômades, mas tem uma cidade na costa norte da Anatólia. Homens vivem lá, mas são cidadãos de segunda categoria.
D) Alguns ainda dizem que elas são líbias do alto Nilo, e que vestem peles de cobra.

Hospitalidade é algo sagrado. Convidados são como irmãos, mesmo se de lados opostos, comportar-se bem é fundamental não importando os envolvidos. Desrespeitar isto equivale ao paladino descumprindo com as suas obrigações: um sacerdote ou oráculo vai exigir uma missão para resolver a ofensa. Se alguém que foi o seu anfitrião em certo momento precisar, você vai lá e recupera a armadura roubada, entrega-lhe com honras e verás que os filhos dele prometem servi-lo um dia em troca.

O Colapso da Era do Bronze e a era das trevas subsequente são um evento apocalíptico quase inacreditável, mas real. Cidades-estado e reinos caindo um a um, refugiados confusos com mil rumores e o fim de civilizações. Irão os heróis investigar o caos e a sua origem? Quem são os “povos do mar” que atacam a tudo e todos? Ou talvez tentar manter uma ilha de sanidade em meio à loucura, tal qual uma Camelot de bronze e bigas? Ou apenas andar por aí, oferecendo as suas lanças em troca de ouro e favores?

2. PJs e PdMs
Heróis” são pessoas extraordinárias de alguma forma, dotadas de um ou mais dons acima dos demais. Não é uma questão de bondade ou maldade, até porque em muitas questões o mais forte dita as regras. Só se lembre de que os deuses e o destino são mais fortes do que tudo o mais…

Elementos geográficos como rios; conceitos; emoções; doenças. Quase tudo tem uma personificação antropomórfica adorada como um deus. Você pode presenciar uma montanha arbitrando uma competição de canto!

Os spartoi (não confunda com espartanos) surgiram de dentes de dragão semeados, “completamente equipados”. Pode-se interpretar isto como algum tipo de povo dracônico com garras e escamas, armas e armaduras naturais. Seja qual for a sua escolha, os aristocratas de Tebas clamavam descender deles.

Um personagem pode explicar as suas magias como ensinamentos que ele recebeu de um dos muitos cultos misteriosos, talvez originário de terras exóticas como o Oriente ou o Egito.

Já uma feiticeira poderia ser uma seguidora de Hecate, deusa da lua, magia, fantasmas e necromancia*. Ela poderia usar os seus poderes para melhorar a sua vida em uma sociedade onde mulheres são praticamente propriedades de seus pais e maridos. Isto pode gerar uma caça às bruxas.

Alguns destes cultos misteriosos tinham muito a ver com berserkers. As Mênades de Dionísio entravam em transes de violência, esquartejando animais e até pessoas com as próprias mãos. Ares pode adentrar o coração de um guerreiro e o levar a uma fúria terrível, propagando a loucura da guerra.

Azagaias e fundas são mais proeminentes do que arcos. A primeira inclui versões flamejantes e de ferro maciço, a segunda quebra escudos e arremessa tanto balas de chumbo inscritas com maldições quanto garrafas de fogo grego.

*A necromancia original: falar com os mortos para conhecer o futuro. O seu personagem pode ser o primeiro a usar isto como uma forma de controlar fantasmas e mortos-vivos, criando a “necromancia de fantasia”.

3. LUGARES
Além dos antigos Jogos Olímpicos*, existem diversos jogos em regiões e cidades diferentes. Estes jogos eram ao mesmo tempo competições, assembleias políticas, festivais religiosos e mercados. Em vez de se encontrarem na taverna, os jogadores poderiam se encontrar nos jogos.

Odisseu, Jasão, Teseus, até Aeneas… Viagens marítimas são comuns nos mitos e os gregos davam muita importância aos mares. Aventuras em ilhas desconhecidas, os perigos da vida em alto-mar, liderar exilados e fundar uma colônia, as possibilidades são muitas. As maiores galés gregas continham milhares de tripulantes, podendo servir como cidades flutuantes onde os jogadores vivem, compram e vendem.

Segundo os gregos, o mundo ficava mais estranho conforme alguém se afastava da Grécia:

• Norte: as marés levam embora árvores inteiras, folhas servindo como velas, capazes de naufragar embarcações. Homens vestidos de lobos comem carne humana.
• Leste: nômades ciclopes roubam o ouro de grifos. Elefantes se tornam tão comuns que um rei pode presentear outro com quinhentos deles.
• Oeste: os ventos da costa ibérica engravidam éguas. O grande rio Oceanus pode não ser um rio, mas o maior dos mares.
• Sul: existe um reino de pessoas altas e sem pelos no corpo, com ossos borrachudos e bocas de duas línguas que podem conversar com duas pessoas ao mesmo tempo. Os nômades garamantes, atacando com as suas bigas, são, na verdade, saqueadores de um reino que, de alguma forma, tem plantações no meio do deserto.

*O nome era porque aconteciam no santuário de Olímpia.

4. EQUIPAMENTO

Heróis como Aquiles e Hércules usavam bigas como plataformas de combate e meios de transporte pelo campo de batalha. Eram os “tanques” da Era do Bronze, antes de alguém criar cavalos capazes de levar alguém no dorso ou ter essa ideia. Os gregos antigos também imaginavam bigas puxadas por grifos.

Outra opção de montaria seriam os grifos sem asas vistos no palácio de Knossos.

Armaduras de placas existem, mas são de bronze (liga de estanho e cobre). Bronze de boa qualidade é melhor do que ferro e mais fácil de forjar e consertar. Algumas ligas podiam penetrar aço. A razão de bronze ser relativamente raro e caro era porque veios de estanho eram raros e ficavam distantes de veios de cobre. Em um mundo de fantasia, isto não precisa ser o caso. Então uma Grécia Mítica poderia desdenhar, com razão, ferro como bárbaro e inferior, enquanto bronze é o verdadeiro metal grego e heroico. Couraças de bronze seriam mais baratas e até armaduras completas estariam disponíveis, como esta.

Também pode-se encontrar armaduras feitas de ferro, chifres, couro, presas, ossos e certas fibras vegetais como linho. Hão tantas opções quanto existem bárbaros, e apenas os deuses sabem quantos destes vivem no mundo.

Artífices gregos existiram em lendas e na realidade: respectivamente, Dédalos e Arquimedes. Algumas das invenções que eles podem criar são: torres de cerco gigantes; aríetes perfuratrizes; autômatos como o gigante Talos ou simplesmente mesas sobre rodas que se movem sozinhas; as primeiras bestas, balistas e catapultas; “itens mágicos” que não são partes de monstros ou presentes divinos.

Havia navios em muitos tamanhos: birremes usadas por e contra piratas; as trirremes clássicas; indo até as gigantescas galés catamarãs, movidas por quatro mil remadores profissionais. Estes foram reais. A fantasia abre a possibilidade de, por exemplo, trocarmos cem remadores humanos por um casal de gigantes com remos enormes; ou mortos-vivos que nunca se cansam e remam vinte e quatro horas por dia.

5. BESTIÁRIO
Hidras, minotauros, quimeras, etc, etc… Os monstros da mitologia grega foram bem explorados. Mas ainda podemos encontrar muitos outros esperando a sua chance. Talvez você goste de:

• Os dragões indianos são grandes serpentes de olhos brilhantes e dentes afiados que emboscam elefantes, arrancando os seus olhos antes de se enrolarem nos pescoços de suas presas e estrangulá-los. Também possuem cristas serrilhadas das quais brilha um fogo mais quente do que qualquer tocha. E talvez tenham asas.
• Os neades eram feras tão gigantescas que os seus rugidos podiam rachar a terra. Existentes em tempos primevos, os gregos só teriam encontrado fósseis colossais que talvez na verdade fossem de dinossauros.
• Os deuses tinham cavalos imortais e muito rápidos, filhos dos quatro deuses dos ventos que às vezes assumiam a forma de cavalos eles próprios. Mas alguns heróis receberam estes animais como dádivas divinas: Hércules, Aquiles, Peleus… Os cavalos do deus Ares tinham bafos de fogo.
Argos Panoptes era um gigante dotado de cem olhos espalhados pelo corpo. Ele guardava uma ninfa transformada em uma vaca branca pela deusa Hera.
Echidnades, por sua vez, era um gigante que tinha serpentes no lugar de pés.

As drakainas eram mulheres-dragão, cada uma diferente da outra:

• A drakaina Scythia era uma bela mulher-serpente que seduziu e teve filhos com Hércules, um dos quais fundou um reino de cavaleiros nômades.
• Já a drakaina Campe era a carcereira dos ciclopes e hecatônquiros. Ela tinha cabelo “serpentino”, uma cauda no lugar de pernas, cinquenta cabeças de bestas como leões e javalis em seus quadris. Mil víboras serviam de pés tal qual uma centopeia monstruosa, asas negras brotavam de seus ombros e um ferrão de escorpião ficava no topo da sua cabeça.
• Um favorito meu é Tifão, talvez a criatura mais mortal da mitologia grega. Um gigante das tempestades cuja cabeça “atingia as estrelas”, de olhos flamejantes, orelhas pontudas e uma barba imunda. Tinha duas caudas de serpente em vez de pernas, asas e cem cabeças de serpente no lugar de dedos das mãos. Mesmo preso no poço de Tártaros, causava as tempestades.

–/–

LINKS ÚTEIS

As classes de D&D 5ª Edição adaptadas para a fantasia grega:
http://homebrewery.naturalcrit.com/share/rJHdIz-Ix

Mazes & Minotaurs, um jogo grátis que se passa na Grécia Mítica:
http://mazesandminotaurs.free.fr/

Bestiário:
http://www.theoi.com/greek-mythology/bestiary.html

Reinos da Grécia Mítica:
http://www.theoi.com/greek-mythology/kingdoms.html

Povos exóticos:
http://www.theoi.com/greek-mythology/fabulous-tribes.html

Um vídeo sobre o Colapso da Era do Bronze (contém legenda em português)

Uma reconstrução digital do palácio de Knossos:

Armas, armaduras e guerra na Grécia de 1600 a 1100 Antes de Cristo. Também contém informação sobre os “Povos do Mar”:
http://www.salimbeti.com/micenei/

Sobre os “Povos do Mar”:
THE SEA PEOPLES: HISTORY, WEAPONRY AND A DETAILED LIST OF THEIR TRIBES (13th-12th century BC)

ON SOME POSSIBLE ‘SEA PEOPLES’ SETTLEMENTS IN SICILY, SARDINIA AND CORSICA (Bronze Age)

Ilustrações da Era do Bronze:
http://www.salimbeti.com/micenei/images/war18.jpg

https://periklisdeligiannis.files.wordpress.com/2016/09/edit.png

Armaduras:
http://www.hellenicarmors.gr/en/armors/ancient-greek/

http://www.salimbeti.com/micenei/armour1.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/armour2.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/armour3.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/armour4.htm

http://www.hellenicarmors.gr/en/armors/mycenaean/

Elmos:
http://www.salimbeti.com/micenei/helmets1.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/helmets2.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/helmets3.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/helmets4.htm

Escudos:
http://www.salimbeti.com/micenei/shields1.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/shields2.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/shields3.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/shields4.htm

https://periklisdeligiannis.files.wordpress.com/2015/11/00.jpg

https://periklisdeligiannis.files.wordpress.com/2015/11/connolly1.jpg

Armas:
http://www.salimbeti.com/micenei/weapons1.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/weapons2.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/weapons3.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/weapons3.htm

http://www.salimbeti.com/micenei/weapons4.htm

http://www.bronze-age-swords.com/

http://www.bronze-age-swords.com/aegean_swords.htm

Equipamento da Era do Ferro:
http://www.hellenicarmors.gr/en/armors/ancient-greek/

https://periklisdeligiannis.files.wordpress.com/2014/06/athena-promachos1.jpg

Galeria com diversas imagens apropriadas:
http://panaiotis.deviantart.com/gallery/34496451/Cultural-Heritage

Navios antigos:
http://www.salimbeti.com/micenei/ships.htm

Artigos sobre história antiga:
http://www.livius.org/

Europa Barbarorum II. Este mod para Medieval II: Total War apresenta muita informação nos textos de suas unidades e construções. O wiki tem bastante sobre facções e guerreiros da Era de Ferro:
http://www.europabarbarorum.com/

http://europabarbarorum.wikia.com/wiki/Main_Page

Sobre a falange:
HOPLITE PHALANX: WHERE IT WAS INVENTED?

HOPLITE TACTICS: THE HOPLITE PHALANX

THE HOPLITE PHALANX IN COMBAT (HOPLITE TACTICS)

SOBRE O AUTOR
Bruno Kopte é membro da equipe REDERPG e espera que você fique tão interessado quanto ele pelo tema deste artigo. Junto com Felipe Salvador, desenvolve o cenário de fantasia Atma, encontrado aqui.

Todas as imagens, exceto a do Gatts, foram adquiridas no wikimedia commons.

What do you think?

0 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Deixe uma resposta

D&D 5ª Edição: Está no ar a Wiki da SRD em português da 5ª Edição!

Narrando pela primeira vez para Mestres experientes